You are currently browsing the monthly archive for janeiro 2011.

Então, salve salve galera, depois de um enorme hiato estamos de volta as atividades normais. 

Mentira, só um post furreca que deu vontade. 

Quando o Wii foi lançado o mundo gamer ficou maravilhado com as infinitas possibilidades que um console que não estava preso ao número de botões que seu controle podia conter, e as barreiras inerentes a um controle de vídeo gueime. 

Last-gen, mas com controle do futuro!

Estou falando, claro, da dificuldade lógica de se transportar a quase infinita quantidade de movimentos e possibilidades do mundo real para um aparato com 10 botes e dois direcionais (isso na mais nova geração, sem nem tocar no saudoso Atari.). É uma tarefa árdua, tanto é que uma medida de avaliação que revistas e pessoas utilizam-se para avaliar os games é justamente “Jogabilidade”, que nada mais é que uma nota para quão bem se pode jogar um jogo, e se o personagem não responde bem aos controles a nota é ruim, pelo menos quase sempre. 

O controle nos jogos é realmente fator crucial, gráficos ruins, nós suportamos, falta de história até vai, principalmente se for um FPS qualquer, mas se o personagem não responde aos comandos fica muito difícil de continuarmos jogando, exemplo disso é o próprio gênero fps, que era inexistente nos controles, recebeu um upgrade com Goldeneye/Turok no N64, mas ainda era subestimado, e muita gente não conseguia jogar, e após Halo e o esquema de controle revolucionário utilizado os fps tomaram de assalto o mundo dos consoles, deixando de ser exclusividade dos PCs.

Enfim, quando o Wii surgiu houve a esperança de jogos extremamente inovadores, e, perdoem-me os nintendistas, a inovação foi aquém do esperado, não estou dizendo inexistente, vejam bem, foi apenas…menos. 

O que vimos foi uma chuva de jogos de mini-jogos, utilizando-se do controle de movimentos apenas como “gimmick” para vender, mas os gamers mais hardcores foram meio que esquecidos, jogos-promessa foram decepcionantes e os gamers acabaram por abandonar o wii e partirem para pastos onde os jogos ainda verdejavam, exageros a parte, quem ainda joga wii? 

Agora, ignorando o o PSmove, que é copia do Wiimote, inserido num VG mais potente, mas com o mesmo potencial de sucesso ou fracasso, parto para o desfecho desse texto. 

Kinect. Delay de 4 minutos

Considero-o uma segunda geração da captura de movimentos, fins iguais aos do wii e psmove, abordagem levemente diferente e quiçá mais moderna, ao contrário do psmove não vou ignora-lo neste texto, porque acho que sua chance de sucesso/fracasso é diferente. 

Explico. 

O que a microsoft tem que as outras duas plataformas não tem é uma comunidade não só criativa, mas também ATIVA, com programas como o XNA tornam qualquer um uma mini-empresa de jogos, e como todos sabemos que duas cabeças pensam melhor que uma, agora pensem grande e imaginem milhares de cabeças, é o que já está acontecendo com os diversos hacks da kinect,  usuários criando novos fins para o mesmo produto, dentro de em breve podemos ter kinect liberado para os PCs , o que adiciona ainda mais mentes para o brainstorm global, e logo meus senhores, teremos games produzidos por gamers, coisa que não houve e provavelmente não haverá com wii ou ps3, e olhando para  o mundo sabemos que quando as coisas são feitas por quem AMA o que faz o produto é sempre melhor, só olhar pros fan films que pipocam no youtube, que humilham super produções hollywoodianas, e os jogos indies que surgem por aí. 

Por isso que acho que o kinect, apesar de não causar o mesmo impacto e sensação de revolução que o wii causou, (admitam que não, caixistas, pois é verdade eu eu falei.) em seu lançamento, tenho a sensação que estamos para presenciar uma revolução nos jogos, e nos fins que as pessoas podem ter para o kinect. 

Isso é claro, num futuro não muito distante, mas primeiro temos que sobreviver a uma enxurrada de jogos de mini-jogos, né kinect sports? 

Acho que esse cara aí é, hein?

Anúncios