untitled-2.gifÉ fim de ano! 2007 tá indo pra algum buraco negro de Mario Galaxy, deixando pra trás horas e horas de jogatina. De Snake Eater a Geometry Wars, dediquei bons momentos a esse hobby tão seleto. Mas não é sobre isso que quero falar aqui. Hoje vou falar de mim. Sim, este vai ser um post “querido diário”, logo se você quer ler apenas sobre games, aconselho parar já. Porque isso? Bom, a vida não é feita só de jogos eletrônicos e rankings dos mais vendidos, certo? E afinal, o que vocês sabem sobre estes blogueiros que aqui postam? Nada, praticamente. E sinto o mesmo em relação aos autores de outros blogs. “Ah, mas então escreve algo e põe no ‘quem somos‘”. É, eu poderia, mas aí vocês iriam ficar sem post hoje =D

dilbert.gifEu sou um cara em conflito. Não sei se é apenas comigo, mas estou odiando certos aspectos da “vida adulta”. Não que eu seja um, mas sabe como é. Trabalho, faculdade e mais um monte de coisas que não suporto. “Mas que porra-louca sem objetivos“, você deve pensar. Não é bem assim. Não que eu não goste de trabalhar, eu apenas não me encontrei ainda. Acho que há muita formalidade no mundo profissional. Muita necessidade de ser sério e de ficar se limitando por causa disso. Quantas pessoas que poderiam ser legais mas são um verdadeiro pé no saco devido a tais formalidades. Isso tá acontecendo comigo também, mas contra a minha vontade. Eu fico frustrado com isso, pois a idéia de viver em torno de termos como “corporação”, “networking” e “CEO” é horripilante.

Não sei se é utopia, mas eu gostaria de viver ao estilo “Seinfeld”. Viver de algo que não necessariamente esteja atrelado a organogramas e reuniões de pauta. Eu quero fazer o que eu gosto, seja lá o que for. Trabalhar sem parecer que estou trabalhando. E sem ser julgado por isso. Por sinal, isso é outra coisa que me incomoda. As pessoas julgam demais, eu faço isso também, mas não deveria. Por exemplo: a minha faculdade tem quatro anos, mas estou indo para o quinto. Terei de refazer algumas matérias e talvez só conclua no ano que vem, e quando digo isso sinto reprovação de boa parte das pessoas. Mas eu não vejo nada de errado nisso. Tem o dinheiro gasto e tudo mais, ok, mas fora isso, qual o problema? Sou uma pessoa pior por causa disso? Um herege? Não. Só faz parte do meu caminho (pra onde eu não sei).

Poxa, mas esse cara é um hippie mesmo! Toma jeito na vida, muleque!” Não não. Estou longe de ser um hippie (nada contra, quero deixar bem claro), só discordo que todos tenham de viver no mesmo sistema nojento. Recomendo a todos ouvirem o nerdcast “nerd rico, nerd pobre”. O final dele é tudo que eu queria ouvir sobre o assunto (dica do Lucas, por sinal). Posso estar fazendo uma loucura, mas ano que vem eu vou abrir uma empresa. Ok, sou um moleque de 21 anos que não sabe bulhufas da vida ainda, mas farei isso. Ao melhor estilo “lobo solitário”. Do meu jeito. Muita gente não bota fé, mas não tem problema. Eu vou fazer dar certo, mas caso não dê, paciência. Vou poder usar a desculpa do “sou novo, tenho muito a aprender”.
Se tudo correr 100%, no primeiro trimestre de 2008 a parada tá pronta. Ah, vou precisar da ajuda de vocês, já avisando 🙂

Acho que é pelos motivos acima que gosto tanto do entretenimento, seja na forma de jogos ou não. É uma válvula de escape, algo que me faz relaxar e me sentir bem. Nada melhor do que chegar em casa e ficar sossegado, abrir um pacote de cheetos e se deliciar com comédias norte-americanas. Filmes também e é claro, jogos. Admiro demais a criatividade aplicada neles. É algo feliz, sem as coisas irritantes do dia-a-dia. Ah, os blogs de vocês estão junto (nas coisas legais), ok? =) Comer um balde de pipoca com a namorada no cinema é algo que eu gosto muito também. Já fui baladeiro, mas agora tô mais calmo. A namorada chia, aí já viu né. Tenho que apelar pro Mario Galaxy nessas horas.

seinfeld.jpgSou um cara que já teve lapsos de bacanisse, mas que hoje tem a roda de amigos reduzida. Os motivos? Bom, tem gente que não deve gostar muito do meu estilo de ser. Faço piadinhas meio podres às vezes, e como as pessoas são estragadas e não têm senso de humor, acabo recebendo olhares feios e muita, mas muita reprovação. Talvez por isso hoje eu seja mais quieto. Me contenho antes de brincar, e isso é outra coisa que me broxa. Mas fazer o quê, certo? Se todos reclamam, devo estar errado mesmo. Pra falar a verdade, não vejo nada de estranho nos meus comentários, mas devo ser meio lelé da cuca, after all. Enquanto a maioria das pessoas acha repugnante falar de vômito e coisas nojentas, eu ri do bacana 2girls1cup. Não me excitei, lógico, mas achei engraçadíssimo.

Acho que por enquanto é isso. Queria escrever mais, mas tenho coisas a fazer no trabalho (que irônico). Gostaria também de que vocês falassem, em seus blogs ou nos comentários, um pouco sobre todos vocês. Percepções e perspectivas, emoções, sei lá. Sei que parece um pouco piegas, mas é legal às vezes. Arrisco até a fazer disso um pseudo-meme, que provavelmente não será bem-sucedido, visto que não são todos que gostam de falar sobre a vida tão abertamente. Mas mesmo assim, convoco o Lucas Patrício, o Gustavo Oliveira e o Rodrigo Flausino para esta atividade tão bacana que é a redação egocêntrica.

Até mais!

Ps: Não se preocupem, este ainda é um blog de games ;P

Anúncios