Se o FinalBoss possui mini-reviews, o Assopre a Fita possui os incríveis, práticos e de fácil digestão Micro Revíus! Aqui você encontrará esporadicamente análises rápidas e sucintas dos melhores games do momento! Ou não, mas tudo bem. Vamos começar com um simpático joguete para o nosso querido Nintendo Wii: Mercury Meltdown Revolution.

(Nota do editor: acabei me empolgando e no fim este “review” não ficou nada micro. Quem sabe na próxima…)

O que é?
mercurio.jpgUm puzzle que teve origem no PSP e ganhou também uma versão para ps2. Basicamente ele é assim: você controla uma bola de mercúrio através de pequenos cenários. Você tem um limite de tempo (que serve apenas para pontuação, você não “perde” se o tempo acabar) e deve chegar até o seu destino.

Mas não pense que é melzinho na chupeta. No meio do caminho você encontrará diversos obstáculos, que vão desde plataformas flutuantes a espinhos que fazem a sua bolinha se dividir em várias. Aliás, este é um dos desafios do jogo. Em várias fases você deve dividir o seu “personagem” em dois ou mais, já que ele é feito de mercúrio. Caso você não consiga imaginar, é tipo uma daquelas “gelecas” que crianças costumam brincar, só que mais moles (isso visualmente e no ambiente do jogo. Na vida real essa comparação é 100% inválida.). Para se dividir, você precisa encontrar algum obstáculo, como uma escadinha por exemplo, e deixar a física fazer o resto. Mais cedo ou mais tarde, dependendo da sua habilidade, a bolinha de mercúrio se dividirá.

mercury3.jpg

Alguns puzzles são também baseados em cores. Como assim? Existem algumas fases em que você só consegue passar se mudar de cor, e para isso existem “cabines” específicas para isso. Some isso à divisão de bolinhas e já terás um bom desafio. Por vezes você terá de se transformar em várias e mudar as cores de todas ao mesmo tempo para depois dar um jeito de juntá-las e conseguir misturas de cores. Também existem portas e plataformas que você só conseguirá alcançar dessa forma, tornando tudo bem interessante e desafiador. O design das fases é muito bem bolado.

Mas como tudo isso funciona no Wii? Bom, não joguei a versão do PSP, mas imagino que nele a bolha era controlada apenas pelo direcional. No Wii quem manda é o sensor de movimentos, como já era de se esperar. Você segura o controle no estilo NES e tem total controle sobre o objeto solamente com o motion-sense. Os botões servem apenas como auxiliares, afastando e aproximando a câmera e a movimentando. Em minha opinião os movimentos ficaram bem precisos e sólidos. Talvez você estranhe no início e ache até um pouco lerdo, mas no decorrer do jogo é perceptível a sensibilidade. Digo isso porque em certos momentos você está em uma plataforma finíssima e não pode perder partes da bolha. Por exemplo, se você vacilar vai acabar derramando 30% da bolinha fora. Na real existe a possibilidade de você terminar as fases com apenas 10% de seu tamanho original e com o tempo esgotado, mas o jogo foi feito de tal forma que você simplesmente não aceitará e tentará chegar ao fim dentro do tempo e com 100% de sua forma original. Mas voltando aos movimentos, existem horas em que a precisão é tão necessária que você se flagrará “tilteando” o controle em uma tensão suave, muito gostosa.

mercury.jpg

Não pense que é como em outros jogos pro Wii, em que você faz qualquer movimento besta e aleatório e ação é representada na tela. Mercury Meltdown Revolution possui movimentos simples porém funcionais e inteligentes, de uma forma que não prejudica o jogo. Muito pelo contrário, aqui é a jogabilidade que faz a diferença, juntamente com o design bem construído das fases. É exatamente o tipo de funcionalidade que eu gosto de ver no Wii.

Mas e gráficos? Bom… Não é nenhum Mario Galaxy, obviamente. Aliás, parece um jogo de primeira geração do Dreamcast. Ou, para a comparação ficar mais adequada, é praticamente um port de PSP. As texturas da fase são simples, sem nada de primoroso. É tudo muito colorido e vivo. Claro que eu gostaria de ver gráficos revolucionários e breath-taking, mas no fim o visual fica meio que em segundo plano. As músicas são medianas, onde eu pelo menos gostei da maioria, mas algumas deixam bastante a desejar, como a do menu por exemplo.

Vale a pena comprar?

Não sei. O jogo lá fora é vendido a 20 dólares. Se você conseguir por este preço nem hesite, compre já. Mas como por aqui a coisa é diferente, não sei se investir 90 reais nele é o melhor dos negócios. Existem vários outros jogos com maior relevância na biblioteca do Wii e talvez deixar de ir ao bar durante duas semanas para economizar mais 50 reais e comprar um jogo mais caro seja uma boa. Mas eu comprei e não me arrependi. É um título bem gostoso de se jogar, principalmente após um dia cansativo de trabalho onde tudo o que você deseja é um sofá e algo que não te estresse. Pode até servir de “terapia” pra alguns. Eu diria que este jogo ficaria muito melhor se fosse vendido em uma Live da vida, mas isso é assunto pra outro post 🙂

mercury-2.jpg

Anúncios