Este é um re-post. “Mas peraê, já tão repetindo textos? Acabou a criatividade? O blog está caindo em um poço de idéias rasas e medíocres? Seria este o marco zero para o fim do Assopre a Fita?” Não, amiguinhos! É que esta historieta foi publicada aqui nos primórdios do blog, quando tínhamos cerca de cinco leitores. Hoje, contabilizamos setecentos leitores únicos, com um fluxo de visitas de três mil acessos diários. Tá, essa parte foi mentira.

E se estamos a re-postar a parte um, é porque queremos que os leitores mais recentes fiquem por dentro da vibe que rolou em outrora. E também porque tá na hora de vir a parte dois, que estou há uns bons meses enrolando.

Acabei de acessar o blog do Pablo Miyazawa e li sobre a sua mini-jornada pelo Wii em Nova York. Vi e me mordi, pois tenho uma história semelhante (sem o glamour de NY, mas semelhante) só que obviamente o meu outro blog não possui a mesma relevância do que o de Pablo.

Ia publicar aqui somente no futuro, mas como já deixei um recado no blog dele, vou postar a história agora (quem sabe alguns leitores descubram este humilde blog?)

A busca pelo Wii – Parte I

Era o segundo dia do ano e eu estava a aterrisar novamente nas terras do nosso camarada Jorge Buche. Já por alguns meses eu importunava a patroa, falando incansavelmente desse novo brinquedo que prometia ser uma revolução no mundo do entretenimento eletrônico. Agora era a hora de ir atrás dele e, com isso, torrar todo o rico dinheiro que eu havia guardado com suor, trambiques e negociações ferrenhas. Meu objetivo era, ao quinto dia do mês, comprar o tão desejado aparelho, presenteando-me e me desejando feliz aniversário, em um ato de egocentrismo explícito. Então, após pentelhar os detentores dos automóveis mais próximos, fui eufórico para uma das lojas da principal (acho) rede de venda de jogos eletrônicos estadunidense: o GameStop.

Exemplo de loja da GameStop catado no Google.

Para mim, um mero cidadão de uma pseudo-maior-cidade-de-um-estado-do-sul-do-Brasil que mal topa com algum lugar que venda jogos eletrônicos, o GameStop era mais divertido que os brinquedos da Neverland (Jacko’s), só que sem a pedofilia. Mas que beleza! Uma loja de médio porte recheada de títulos gamísticos, filmísticos e animesísticos. Dezenas de colecionáveis. Apetrechos para “envenenar” (ic!) o seu console. Fantástico. Para mim, só os jogos e aparelhos me interessavam, e era o bastante. Uma das prateleiras era reservada para ele, o meu objeto de desejo. O Nintendo Wii. De cima a baixo, jogos, controles, memory sticks e Wii Points. Ao lado, um televisor widescreen com uma demonstração não jogável estava ligado. E acima, uma caixa do console. Tremi na base, como diriam aqueles das gírias duvidáveis. Fui, em um inglês tímido e abrasileirado, pedir uma unidade para então me regozijar pelo resto do mês. O vendedor então me olhou com aquela cara de “Lamento, campeão. Você não conseguiu ser escalado para o time de futebol americano da nossa escola americana” e disse: “Foi mal, cara, mas tá em falta”. Decepcionado, observei as prateleiras da loja assim como faz uma pobre criança marginal na frente de uma vitrine com o último modelo do tênis da hora. Fui para casa.

Os dias que se passaram foram semelhantes – no que diz respeito às tentativas frustradas de adquirir o Wii. As três semanas seguintes, para ser mais exato. Foram litros de combustível gastos, solas de calçados, energias e tudo o mais. Dezenas de lojas visitadas – BestBuy, Gamestop, Circuit City, Toys R Us, Sears, Wal Mart, Target e até a livraria Barnes & Noble – e nenhum Wii. Nenhum. E olha que foram duas cidades vasculhadas. Mas o que mais se ouvia era “Desculpa, mas está em falta”, “A procura é muita”, “Não temos previsão” e o quase inacreditável “A Flórida inteira está sem”. Chegou uma hora em que eu, desesperado por ir embora sem o Wii, apelei: fui para o EBay.

Eu tinha como passatempo ir ilegalmente à faculdade com as minhas primas, e graças ao Wii deixei de ir alguns dias. E graças ao Ebay também. Para quem não sabe, grande parte dos produtos vendidos é por lance, diferentemente do nosso queridíssimo MercadoLivre, em que ao clicar em “comprar” o produto já é seu. No EBay, pelo menos nos produtos mais badalados, o que acontece é uma disputa digital acirradíssima, onde os lances são maiores a cada minuto. Passávamos boa parte do dia observando a quantidade escrota de Wiis sendo leiloados. Eram Wiis de todos os cantos da América (uma vez encontramos um que vinha da exótica Costa Rica). Os preços, obviamente, eram alguns dólares maiores que os normais, mas volta e meia encontrávamos um ou outro por U$270. Aí a alegria estava feita, pois faltavam apenas tres minutos para que os lances fossem encerrados. Quando víamos já estavamos na disputa. Trinta segundos e a felicidade seria nossa. Vinte e cinco segundos e o preço, que estava em 270 dólares, aumentava para caríssimos U$360, contrariando todas as leis da robótica (?). Já me via voltando para a minha terra apenas com a vontade de manejar o maravilhoso controle quase-fálico da Nintendo.

Hoje tá mais em conta. Ou não.

Pois um belo dia, taquei o foda-se e comprei. Sim, comprei um Wii no Ebay. U$375, se não me engano. “Foda-se a grana, vou torrar quase tudo só no Wii. Os jogos eu dou um jeito de comprar depois.” Deu 5 minutos, contei para a minha prima, e a reação dela me fez me arrepender. “Seu tosco, etc.”. No ato, deixei um recado para o feliz vendedor dizendo que não efetuaria a compra, e que aquilo tinha sido um ato impulsivo. Deixei o cara na mão, eu sei, mas naquela altura do campeonato eu já não me importava com isso. Recebi uma notificação do EBay de que teria a minha conta cancelada e mais um bocado de coisas que me fariam ficar levemente preocupado caso eu não estivesse quase saindo do país. Como eu não sou usuário constante do site – só fui durante Janeiro -, tanto faz se o meu nome está na lista negra deles.

Passadas estas emoções, voltei ao GameStop mais próximo. Os vendedores já deviam estar cansados de ouvir a mesma pergunta quase todos os dias. Eu já tinha comprado jogos usados de GameCube para compensar, além de um Ps2 para o meu primo (que joguei também, obviamente). Um tiozão que estava lá atendendo ainda não me conhecia e deixou escapar que no próximo domingo chegariam alguns poucos Wiis. Algumas pesquisas nos levaram a descobrir que uma loja maior – o BestBuy – receberia também no mesmo dia, porém seriam mais de cinquenta aparelhos. Já tinhamos o que fazer no dia.

No sábado que antecedeu o domingo (…), decidimos, para não perder a talvez última oportunidade de conseguir comprar, passar a noite em frente a loja. É. No lançamento do Playstation 2, lembro-me de ter visto em uma revista centenas de japoneses acampando do lado de fora para conseguir o seu aparelho. Na época achei loucura.

Fim da parte I – Provavelmente demorarei para postar a II.

Anúncios