Olá, gamistas de todo o mundo! Vamos conversar novamente sobre Metroid Prime 3? Então, os dois integrantes deste blog se reuniram na semana passada para trocar experiências gamisticas, e durante esta reunião eu pude jogar Halo 3 por trinta minutos e o Lucas fez o mesmo com Metroid Prime 3. Abaixo, considerações finais minhas sobre Metroid (terminei ontem), e logo em seguida o mini-review do Lucas. Duas opiniões diferentes de gamers diferentes que possuem sistemas diferentes. Enjoy:

Considerações finais (Por Rodrigo)

Bom, como já postei anteriormente sobre Metroid Prime 3, desta vez serei direto e colocarei algumas de minhas conclusões em tópicos. Vamos lá?
– Jogabilidade macia e gostosa. Em minha opinião já podemos fazer um funeral para os controles analógicos. Agora, Metroid Prime 3 é parâmetro para outros jogos, ou seja, qualquer game que tiver a jogabilidade inferior a de MP3 sofrerá com as conseqüências.
– Trilha sonora deveras interessante. Alguns acharam que ela não combinou com as cenas em que estavam inseridas, mas pra mim ficou ótima.
– Animações e Cut-Scenes ruins. Péssimas, para falar a verdade. Não é difícil encontrar jogos de Gamecube e PS2 com movimentações e design de personagens melhor trabalhados. Pecaram neste quesito.
– Cenários normais no começo do jogo, porem estonteantes mais para a frente. Efeitos de iluminação me fizeram parar para ficar olhando o cenário algumas vezes, principalmente nos cenários dos chefes. Jogar nestas partes sob o efeito de substancias ilícitas deve ser psicodélico (não usem drogas, crianças!).
– Uma das melhores construções de cenários que já vi. Por não ter jogado os Primes anteriores, me surpreendi, mas quem já o fez sabe o que vem pela frente. O jogo inteiro foi planejado de maneira milimétrica e genial. Parabéns para os “arquitetos” responsáveis.
– Animações e cutscenes ruins. Opa, já falei disso?
– Nada de cenas épicas e memoráveis. Ta, talvez uma ou outra, mas definitivamente não é o foco do jogo. Quer isto? Vá jogar Halo 3.
– Alguns loadings broxantes. Nada como ficar olhando feito um tonto para uma porta durante uma dezena de segundos.
– Vá para uma sala, mate os inimigos e avance para a sala seguinte. Volte para a sala anterior e reencontre os mesmos inimigos. PEEEEIN. Síndrome de 16-bits.
– Vale ressaltar: nota dez para a elaboração dos cenários.
– Final a la “Street Fighter II”, e olhe la.

Se fosse pra dar uma nota geral, acho que eu iria de 8,5 ou 9,0. Claro que não estou fazendo nenhuma analise técnica, são apenas experiências como gamer, e o que um gamer quer? Diversão.

Mini-Review (Por Lucas)

Este post é uma resposta a intimação que o Sr. Rodrigo me fez sexta feira passada. Sou um orgulhoso dono de um X360, e Rodrigo de um Wii, logo ele tem Metroid e eu Halo 3, nada mais óbvio, e resolvemos brincar com o xodó um do outro, sem sacanagem pessoal. Vou fazer um review do jogo, e esquecer as multas de transito, a falta de salgadinhos, e a falta de noção do host da noite, que ignorou os convidados e FOI DORMIR.

(Nota do anfitrião: EU ESTAVA BEBADO, e o jogo que estava rolando era Halo 3. Era de se esperar ;P)

Lembrando que joguei Metroid por uma hora no máximo, então ignorem qualquer coisa que eu disser. Metroid me pareceu promissor, talvez o melhor jogo do wii até agora, gráficos pela primeira vez se mostram, mesmo que com timidez, modelos de personagens muito robóticos, alguns mal feitos, respostas sempre iguais, ouvi 7 vezes diferentes, de pessoas diferentes a mesma frase, “estou ocupado”, em inglês, óbvio. Mas essas questões são óbvias, é óbvio que o Wii não tem o poderio de hardware, e apesar de reviews famosos terem ficado assombrados com Metroid e seus gráficos, eu os achei normais, jogos last gen tem gráficos melhores, e Metroid fez o mínimo pra ficar decente.

Gameplay: o Wii e seu controle é diversão garantida uma vez que você domina os controles, o que acontece com mais facilidade com casual games, como Wii Sports, onde tudo que você precisa fazer é imitar o movimento do esporte em questão, not so em jogos mais complexos.

O controle do Wii tem problemas com posicionamentos de botões, que por vezes ficam longe dos dedos, e acabam atrapalhando, passado isso, Metroid tem uma linha de aprendizado, que não consegui superar na hora que joguei, mesmo porque nas seções onde joguei foi mais tiroteio, onde modéstia  parte, arrasei, e umas interações com o cenário, como abrir portas,  jogar o chicote de energia e arrancar  a porta e etc. tudo muito simples assim que você aprende.

Som, como dito acima, péssimo, as músicas não acompanham o clima do que está acontecendo, vozes repetidas, e efeitos sonoros meia-boca.

Multiplayer: Over-all, o jogo é muito bom para quem gosta ou quer um adventure com elementos de ação e puzzle, com certeza um must have para qualquer dono de Wii, mas não sei se mereceu todo o burburinho que recebeu por sites especializados, é um jogo acima da média mas não é perfeito, está tudo na média ou no mínimo do que uma empresa faria pra ter um jogo decente.

P.S: A parte do multiplayer eu estava brincando pra quem não percebeu, foi só para deixar ali CONTRA PESSOAS QUE DIZEM “HALO 3 É UM ÓTIMO JOGO MULTIPLAYER, MAS CAMPANHA É APENAS MAIS UM” pois bem se formos dividir halo 3 ele tira 9,5, mas seguindo essa lógica, vamos dividir todos os jogos!

Se formos dividir Metroid e qualquer outro jogo, por exemplo Bioshock, eles tiram 5 no máximo, POIS NÃO TEM MULTIPLAYER. E tenho dito.

Anúncios