Vou te contar: nunca consumi jogos piratas em consoles meus.
Tirando as vezes em que comprava e surrupiava jogos para o PSone de um amigo meu, e dos cartuchos alugados de SNES da locadora da esquina, não colaborei com a pirataria. Talvez pelo fato de sempre ter tido consoles da Nintendo, os menos populares no quesito “vou pagar 15 reais em um jogo”. Mas confesso que, há uns meses atrás, pensei seriamente em desbloquear o meu pequeno e glorioso Wii. Oras bolas, jogos por preços módicos? Nada mais tentador, ainda mais com tantos lançamentos por aí. Mas, no momento decisório, uma breve conversa com o Lucas, companheiro de blog, me fez colocar os pés no chão. Ele, com a sua maldita lábia de advogado, colocou os pontos positivos e negativos de virar adepto da pirataria. Para não ficar muito maçante, eis alguns tópicos:

Mídias piratas fodem com o seu console, diminuindo consideravelmente a vida útil dele.
Você não colabora com coisa alguma comprando jogos piratas. “Mas os jogos originais são muito caros aqui”… Sim, verdade. Mas comprar falsificados só colabora com a não-diminuição dos preços.
A qualquer hora, pode acontecer de você ser banido da rede online de seu console. Aí, meu amigo, chorar não adianta, muito menos culpar a prestadora do serviço.
Os jogos ficam banalizados. Você acaba não dando o valor merecido a eles.

O Lucas compra originais. Seu Halo 3 vira em português. Os meus jogos são originais. Trabalhamos para isso (não só pra isso, que fique bem claro). Sabemos que é difícil manter esse costume. É caro? Sim. Mas acho que vale a pena, afinal o mercado de games no Brasil teve uma década ruim. São muitos os jogos que quero comprar ate o fim do ano, e por causa do preço terei de abrir mão de alguns deles. Mas nem por isso vou desbloquear, apesar da vontade que bate as vezes. Resumindo:

O Assopre a Fita é contra a pirataria. Period.

Para uma leitura mais embasada e profunda, não deixe de ler a EGM numero 65.

egm-pirataria.JPG

Anúncios